FacebookTwitterYoutubeInstagramWhatsapp

Entrevista
Sono não reparador, cansaço ao despertar ou sonolência excessiva? Este artigo é para si
Por: Susana Sousa, pneumologista no Centro Hospitalar de Setúbal
Sono não reparador, cansaço ao despertar ou sonolência excessiva? Este artigo é para si
Manter horários regulares de sono, privilegiar o número adequado de horas de sono e adotar estilos de vida saudáveis, são conselhos a recordar no Dia Mundial do Sono, que se assinala amanhã, 16 de março, e para aplicar em todos os dias do ano. A propósito desta data, o Vital Health esteve à conversa com a pneumologista Susana Sousa, que explica que “o sono não reparador, o cansaço ao despertar e o aparecimento de sonolência excessiva durante o dia” são os principais sintomas da síndrome de apneia obstrutiva do sono, um distúrbio que afeta cerca de 4% da população adulta.

 

Vital Health (VH) | Este ano, o Dia Mundial do Sono assinala-se a 16 de março. A World Sleep Society escolheu como tema a importância dos ritmos circadianos, com o mote “Junte-se ao mundo do sono, proteja os seus ritmos para aproveitar a vida”. Qual o "relógio biológico" ideal para a pessoa “aproveitar a vida”?
Susana Sousa (SS) | Este ano o Dia Mundial do Sono é dedicado ao tema da relação entre sono e ritmo circadiano, que mereceu o Prémio Nobel em 2017. O nosso ritmo circadiano é regulado pela exposição à luz, que determina a produção de uma hormona que é conhecida pela hormona do sono: a melatonina. Tão importante como o número de horas de sono, que na idade adulta deverá corresponder a 7-8 horas, é saber a fase do dia em que esse sono ocorre no período das 24 horas. A privação do sono, o trabalho por turnos ou o jet lag são exemplos de alterações do ritmo do ciclo de sono-vigília e que podem ter consequências graves, como obesidade, doenças cardiovasculares e aumento do risco de cancro. Manter horários regulares de sono, programar o sono nos casos de trabalho noturno ou por turnos, privilegiando o número adequado de horas de sono e a adoção de estilos de vida saudáveis, são conselhos a recordar no Dia Mundial do Sono e para aplicar em todos os dias do ano.

 

VH | A síndrome de apneia obstrutiva do sono (SAOS) é uma patologia que causa interrupções na respiração e, consequentemente, no sono, tendo um impacto negativo na Saúde. De que forma a apneia afeta a Saúde?
SS | A SAOS caracteriza-se por interrupções na respiração que ocorrem durante o sono, devido ao encerramento intermitente da via aérea. Como consequência, existem variações dos valores de oxigénio com ativação do sistema nervoso simpático, stress oxidativo e inflamação sistémica, que são responsáveis pelo aumento de risco de doenças cardiovasculares e metabólicas. A SAOS associa-se a um aumento de doenças cardiovasculares, como hipertensão arterial, arritmias, doença coronária, AVC e também a diabetes e obesidade, afetando negativamente a Saúde e a qualidade de vida.

 

VH | A SAOS afeta cerca de 4% da população adulta. De que forma pode ser prevenida?
SS | Um estudo realizado em 2015 na Suíça, o Hypnolaus, demonstrou que a doença pode atingir até 50% dos homens e 25% das mulheres, demonstrando uma prevalência superior ao que julgávamos até aqui. Conhecemos hoje alguns dos fatores de risco da doença, sendo o principal fator a obesidade. Manter um estilo de vida saudável, controlo do peso, com nutrição adequada e exercício físico regular, evitar bebidas alcoólicas (sobretudo nas últimas quatro horas antes de dormir) e evitar o tabagismo, são medidas gerais de prevenção da doença.

 

VH | Quais são os principais sintomas da SAOS?
SS | Os principais sintomas são o sono não reparador, o cansaço ao despertar e o aparecimento de sonolência excessiva durante o dia. Frequentemente os doentes referem cefaleias ao acordar, irritabilidade, dificuldade na atenção e memória e diminuição da libido ou impotência. Durante o período de sono é frequente o ressonar, a nictúria (aumento do número de micções durante o período de sono) e a sensação de asfixia ou engasgamento durante o sono.

 

VH | Hoje em dia, existem opções de tratamento que permitem melhorar a SAOS, como é o exemplo da ventilação por pressão positiva contínua (CPAP). Considera que os tratamentos atuais são eficazes e acessíveis aos doentes?
SS | O tratamento de primeira linha é o CPAP, ou seja, a administração de uma pressão positiva na via aérea através de um equipamento gerador de pressão e de uma interface que impedem o colapso da via aérea durante o sono, eliminando os eventos respiratórios. Este tratamento demonstrou melhorar a sonolência diurna, reduzir os acidentes de viação, diminuir a pressão arterial e melhorar a qualidade de vida.

 

VH | A SAOS pode ter um grande impacto no dia a dia dos doentes, podendo levar a que apresentem problemas no trabalho, na vida social e nos relacionamentos. Qual a melhor forma de ultrapassar esta situação?
SS | A SAOS não é uma doença apenas do indivíduo. Tem impacto na qualidade de vida do próprio, mas também no seio familiar, âmbito social e laboral. A sonolência diurna excessiva leva muitas vezes ao isolamento social e a perturbações do humor. As alterações da memória e atenção, bem como a sonolência nas atividades laborais, podem comprometer o exercício da profissão e causar acidentes de trabalho. No âmbito do casal, o ressonar muitas vezes leva a separação de quartos, a sonolência impede atividades em conjunto e a diminuição da libido e o aparecimento de impotência podem ser causa de disfunção familiar.

 

VH | Há mais algum assunto que queira destacar?
SS | Apesar da elevada prevalência de distúrbios do sono, a maioria destas doenças são tratáveis. É fundamental a divulgação dos principais sintomas de alerta para permitir um diagnóstico atempado de forma a instituir terapêutica.

PUBLICIDADE

Por vezes mais é menos

Por vezes mais é menos

© 2018 Vital Health | Todos os direitos reservados | Designed by IPSPOT_ and Developed by Webview