FacebookTwitterYoutubeInstagramWhatsapp

Plataforma de Atualização Diária

Imagem Desdobramento
Bem-Estar
Restaurante sueco cozinha com desperdício alimentar dos supermercados
quarta, 10 abril 2019 09:57
A cozinha sustentável e consciente não é uma tendência, mas sim a evolução natural da gastronomia. Foi com esta perspetiva que Ruth Osborne criou o restaurante ReTaste, em Estocolmo, que recupera alimentos de supermercados já sem valor comercial, dando-lhes nova vida e invertendo o percurso habitual do setor da restauração como uma das principais fontes de desperdício alimentar. A mentora está hoje na Conferência Portugal Saudável, no Capitólio, em Lisboa, para falar sobre a importância da consciência sustentável na restauração e da colaboração que deve existir entre os vários atores da cadeia alimentar para a construção de um mundo mais saudável e sustentável.

 

Criado em parceria com os chefs Christofer Ekman e Paul Svensson – considerado um dos 50 chefs do Plant-Forward Global pelo Instituto de Culinária da América –, o ReTaste dá vida ao lema “transformar lixo em luxo”, com ementas ecléticas e inventivas, que variam todas as semanas consoante os alimentos recolhidos nos supermercados – recorrem, por exemplo, a estratégias inovadoras que prolongam a vida dos produtos, como é o caso da moagem de pão seco para fazer massa.

 

Aliás, de acordo com a Food and Agriculture Organization das Nações Unidas (FAO), cerca de um terço dos alimentos produzidos mundialmente para consumo humano é desperdiçado, sendo que, nos países desenvolvidos, grande parte do desperdício acontece nas últimas etapas da cadeia de valor, nomeadamente no retalho, na restauração e no consumo final. Por isso mesmo, Ruth Osborne acredita que os chefs têm um papel fundamental na criação de uma gastronomia mais sustentável não só através de adoção de práticas ecológicas na cozinha, mas também como um exemplo para sensibilizar a restante indústria alimentar.

 

A sustentabilidade do projeto ReTaste abrange todas as vertentes do negócio: aproveitar tudo o que os alimentos têm para dar, desde as cascas dos vegetais à calda da fruta em conserva; transformar os alimentos que não podem ser aproveitados na cozinha para a compostagem ou para a produção de biogás que alimenta a rede de transportes públicos; ou garantir que a loiça do restaurante é ecológica, com copos feitos de antigas garrafas de vidro, bases para quentes com tampas e loiça que aproveitam argila antiga, cascas de mexilhão e borras de café.

 

A 4.ª edição da Conferência Portugal Saudável tem como mote “Improving Our Food System”, e junta várias figuras relevantes nacionais e internacionais para debater o futuro do sistema alimentar e os modelos capazes de conciliar, de forma integrada, a saúde, o ambiente e a economia.
© 2019 Vital Health | Todos os direitos reservados | Designed by IPSPOT_ and Developed by Webview