FacebookTwitterYoutubeInstagramWhatsapp

Plataforma de Atualização Diária

Imagem Desdobramento
Bem-Estar
Pandemia trouxe solidão e desconforto aos jovens LGBT+
terça-feira, 02 junho 2020 20:22
Isolados dos amigos e desconfortáveis no núcleo familiar. É esta uma das principais dificuldades apontadas pelos jovens LBGT+ durante a pandemia de COVID-19, de acordo com um estudo desenvolvido pela Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da U.Porto (FPCEUP).
 
A investigação, que está na sua primeira fase, tem como objetivo avaliar a saúde psicológica e as redes de apoio social de jovens LGBT+, que vivem com os pais, ou outra configuração familiar, durante o período de crise de Saúde Pública.
 
O estudo contou com a participação de mais de 630 jovens LGBT+ (lésbicas, gays, bissexuais, transgénero e outras minorias sexuais e de género), com uma média de idade de 23 anos. Do total de inquiridos, 95% tem nacionalidade portuguesa, ainda que o trabalho inclua participantes do Brasil e de outros países. Além disso, a maioria dos jovens é estudante, reside numa área urbana e é maioritariamente proveniente das regiões Norte, Lisboa e Vale do Tejo e Centro.
 
De acordo com o estudo, grande parte dos jovens participantes reside com a família. Ainda assim, dada a situação de pandemia de COVID-19 e o período de confinamento imposto, um em cada cinco regressou a casa dos pais. O trabalho concluiu que para “seis em cada 10 a situação afetou muito ou severamente a sua vida” e a maioria sente-se “limitado para realizar as atividades habituais”.
 
Os resultados, que dizem respeito ao período entre 17 de abril e 4 de maio, indicam que cerca de um em cada quatro inquiridos sentiu-se “muito isolado” dos seus amigos, sendo que cerca de 60% dos jovens confirmou que a situação de confinamento com a família representou também um desafio por não se sentir confortável no núcleo familiar.
 
Perante estes dados, os investigadores recomendam que os serviços de apoio, abrigos e demais redes de apoio social permaneçam particularmente atentos e disponíveis durante este período para atender às necessidades dos jovens LGBT+.
 
O estudo, liderado por Jorge Gato, investigador da FPCEUP, conta com a colaboração da Ordem dos Psicólogos Portugueses, da CIG – Comissão Para a Cidadania e Igualdade de Género, Associação ILGA Portugal – Intervenção Lésbica, Gay, Bissexual, Trans e Intersexo, Rede Ex-Aequo – Associação de jovens LGBTI+ e apoiantes, It Gets Better, Casa Qui, e Associação Plano i.
 
Fonte: U.Porto

PUBLICIDADE

"Fumar é uma droga"

"Fumar é uma droga"

© 2020 Vital Health | Todos os direitos reservados | Designed by IPSPOT_ and Developed by Webview