FacebookTwitterYoutubeInstagramWhatsapp

Plataforma de Atualização Diária

Entrevista
Dias mais frios podem agravar sintomas da síndrome da bexiga hiperativa
segunda, 11 fevereiro 2019 10:25
Por: Miguel Ramos, médico especialista em Urologia no Centro Hospitalar do Porto e vice-presidente da Associação Portuguesa de Urologia (APU)
Dias mais frios podem agravar sintomas da síndrome da bexiga hiperativa

Os dias mais frios do inverno podem agravar os sintomas de quem tem uma síndrome chamada bexiga hiperativa, que pode levar as situações constrangedoras como as perdas de urina. A síndrome é muito frequente, sobretudo a partir da meia-idade (40 anos), que afeta mais as mulheres do que os homens. Estima-se que 20 a 30% das mulheres podem vir a sofrer de bexiga hiperativa em alguma fase da sua vida. Em Portugal, cerca de três em cada 10 pessoas referiu ter sintomas indicativos da bexiga hiperativa. O site Vital Health falou com o urologista Miguel Ramos, do Centro Hospitalar do Porto, que explica os sintomas e os tratamentos para esta síndrome.

 

Vital Health (VH) | Os dias mais frios podem agravar os sintomas de quem sofre de bexiga hiperativa. Em que consiste esta síndrome?
 
Miguel Ramos (MR) | A bexiga hiperativa é uma síndrome, ou seja, um conjunto de sintomas. Caracteriza-se por imperiosidade miccional (vontade súbita de urinar) que pode, por vezes, causar incontinência e está habitualmente associada ao aumento da frequência urinária, incluindo noctúria (interrupção do sono uma ou mais vezes devido à necessidade de urinar).

 

VH | Por que razão o frio agrava esses sintomas? Quais as possíveis consequências que o frio pode ter nas pessoas que sofrem de bexiga hiperativa?
 
MR | O frio pode agravar estes sintomas de várias maneiras. Parte deve-se a maior diurese (produção de urina) que está relacionada com menor transpiração. O facto de as pessoas usarem mais roupa e, portanto, terem mais dificuldade em se despir, também pode aumentar a possibilidade de incontinência. A ansiedade e o consumo de bebidas com cafeína pode também contribuir para o agravamento destas queixas. Por fim, os sintomas de bexiga hiperativa estão, por vezes, associados a situações gatilho, como lavar as mãos, ouvir água a correr e a própria sensação de frio pode espoletar estes sintomas.

 

VH | As pessoas habitualmente desvalorizam os sintomas de bexiga hiperativa, por acharem que são “normais da idade”. Como ultrapassar este problema?
 
MR | A bexiga hiperativa é muito prevalente em todas as idades, no entanto a sua frequência aumenta com a idade, tanto na mulher como no homem. Muitas vezes estes sintomas são interpretados com alguma fatalidade relacionada com o envelhecimento. No entanto, estes sintomas podem ser tratados, e o seu tratamento tem impacto positivo noutros domínios da nossa vida como na parte social, familiar e sexual. De notar que a bexiga hiperativa pode ser causa de outras doenças como depressão, fadiga crónica e quedas e fraturas.

 

VH | Quais os tipos de tratamento dos sintomas desta síndrome?
 
MR | Atualmente, existem varias linhas de tratamento para a bexiga hiperativa: medidas comportamentais, medicação oral, medicação intravesical e tratamento cirúrgico. Sendo que na maior parte das vezes consegue-se bons resultados terapêuticos com medidas comportamentais e fármacos via oral.

 

© 2019 Vital Health | Todos os direitos reservados | Designed by IPSPOT_ and Developed by Webview