FacebookTwitterYoutubeInstagramWhatsapp

Plataforma de Atualização Diária

Entrevista
Melanoma é mais frequente na população masculina
quinta-feira, 20 junho 2013 11:31
Por: Osvaldo Correia, dermatologista, secretário-geral da Associação Portuguesa de Cancro Cutâneo (APCC)
Melanoma é mais frequente na população masculina

artigo Correia Dr. Osvaldo 2ef98"Os homens têm, frequentemente, poucos cuidados de prevenção primária", afirmou Osvaldo Correia, dermatologista, secretário-geral da Associação Portuguesa de Cancro Cutâneo (APCC) e professor afiliado da Faculdade Medicina do Porto, na entrevista que concedeu ao Vital Health. E explicou que, nestes casos, "são os que menos usam protetor solar, menos cuidado têm em usar roupa adequada e chapéu e os que mais reportam existência prévia de queimaduras solares, em particular no tronco, nomeadamente no dorso, seja por exposição exagerada ou inadequada ao sol no trabalho ou lazer".

 

 

 

Vital Health | Qual a incidência do melanoma em Portugal? E no mundo?
Osvaldo Correia | Os dados oficiais do Registo Oncológico Nacional de 2006 apontam para cerca de 6 novos casos por 100.000 habitantes por ano. Sabe-se que existe subnotificação dos cancros da pele em geral, em particular dos não melanoma. Estima-se atualmente que o número de casos de melanoma, em Portugal, seja próximo de 10 novos casos de melanoma por 100.000 habitantes o que representa cerca de 1.000 novos casos de melanoma por ano. Estima-se que cerca de 15 % poderão falecer em 5 anos.

 

Vital Health | E no mundo?
OC | Na Europa do Sul as taxas são similares a Portugal, no resto da Europa são ainda mais elevadas, sendo a Austrália e Nova Zelândia os países com maior incidência de cancro da pele em geral, incluindo o melanoma, mas também é nestes dois países que a taxa de crescimento diminuiu muito provavelmente resultado das campanhas de prevenção primária.

 

Vital Health | Quais os fatores de risco associados a este tipo de cancro?
OC | Além de uma eventual predisposição genética sabe-se que a exposição súbita, intensa ao sol, manifestada, por vezes, por vermelhidões sucessivas ou queimaduras solares, sobretudo em crianças, adolescentes e adultos jovens parece ser dos factores de risco mais significativos. A história de frequência de solários está associada a maior risco dos vários tipos de cancro da pele, em particular do melanoma. Há mais risco de melanoma em pessoas com múltiplos nevos atípicos, fototipo de pele baixo e os com antecedentes pessoais ou familiares de melanoma. Parecem também assumir-se como factores de risco acrescido a frequência prévia de férias tropicais coincidindo com queimadura solares e a história de viver em trópicos sobretudo em idades jovens.

 

Vital Health | Quais as diferenças com outros tipos de cancros da pele?
OC | Dos cancros da pele mais frequentes, o melanoma apesar de não ser o cancro da pele mais frequente é o mais temível pois tem potencial metastático para os gânglios e sistémico se não for detectado e tratado precocemente. A mortalidade por cancro da pele em cerca de 80% dos casos está relacionada com o melanoma. O carcinoma basocelular é o cancro da pele mais frequente e tem potencial de invasão local, seguido do carcinoma espinocelular que se não for detectado precocemente tem potencial de invasão ganglionar. Os aspectos clínicos são completamente diferentes.
O melanoma assume-se como o "patinho feio", ou seja, é um "sinal" diferente dos outros que surge como uma lesão "de novo" em 2/3 dos casos, frequentemente de cor negra, necessariamente pequeno mas que vai crescendo, de início na horizontal e depois na vertical. Aplica-se a regra do ABCDE (A assimetria, B bordo irregular, C cor muito escura ou heterogénea, C diâmetro maior de 6 mm, E evolução ou alteração recente) para os "sinais – nevos" preexistentes que se tiverem estas características de atipia podem ser a manifestação de melanoma e que correspondem a 1/3 dos casos do melanoma.
Para mais informações sobre cancros da pele e o seu aspecto clínico consulte os sites da APCC e da campanha Euromelanoma.

 

Vital Health | É uma doença oncológica que tem tido um maior crescimento nos homens. A que se deve tal facto?
OC | Os homens têm, frequentemente, poucos cuidados de prevenção primária, nestes casos, são os que menos usam protetor solar, menos cuidado têm em usar roupa adequada e chapéu e os que mais reportam existência prévia de queimaduras solares, em particular no tronco, nomeadamente no dorso, seja por exposição exagerada ou inadequada ao sol no trabalho ou lazer.

 

Vital Health | A idade média de diagnóstico é de 57 anos. Qual a particularidade para ser esta idade?
OC | Os estudos sugerem haver um hiato de vários anos (que podem variar entre 5 a 20 anos, ou mais) entre os relatos de exposição exagerada ao sol ou a frequência de solários ou o relato de queimaduras aos ultravioleta. Sabe-se que este risco é maior se ocorre em idades jovens.

 

Vital Health | Quais as armas terapêuticas para o melanoma?
OC | A terapêutica do melanoma mais eficaz é a sua remoção cirúrgica numa fase precoce, seguindo as normas internacionais de boas práticas para a remoção e alargamento cirúrgico e/ou outras do melanoma. Infelizmente existe uma percentagem significativa de pacientes cujo o diagnóstico não é na fase inicial, ou seja, na fase de crescimento horizontal. Por vezes a sua forma de apresentação é nodular, com crescimento vertical desde o início, e mais frequentemente passam, em alguns meses a 1 ano, de crescimento horizontal a vertical, com posterior disseminação linfática e sistémica. Nesta fase mais avançada a quimioterapia clássica tem muita baixa eficácia com taxa de mortalidade elevada aos 6 meses. Mais recentemente surgiram novos avanços no tratamento do melanoma avançado com metástases, que incluem fármacos que ativam o sistema imunitário, em particular os linfócitos T citotóxicos e seus mediadores. É pela utilização destes fármacos que estimulam a imunidade e/ou pelos inibidores do BRAF e da MEK que o futuro próximo do tratamento dos doentes com melanoma avançado vai proporcionar alguma esperança de duração e qualidade de vida destes doentes.

 

Vital Health | Qual a importância de efemérides como o Dia do Euromelanoma para sensibilizar a população?
OC | O Dia do Euromelanoma (Euromelanoma day) ocorre desde 2000 em vários países europeus, num número crescente de países que hoje são mais de 30. Portugal está desde o primeiro ano no grupo de países que aderiu a esta campanha. Aliás, ocorrem em Portugal Campanhas deste género desde 1988.
Durante o mês de maio, cada país dedica um dia ao Cancro da Pele, designado como Dia do Euromelanoma. Em Portugal em 2013, ele ocorreu no dia 15 de maio. Neste dia pretende-se uma divulgação e sensibilização intensa da população para as medidas de Prevenção Primária (cuidados a ter com o Sol, evicção de solários, etc) e medidas de Prevenção Secundária (nomeadamente o estímulo ao auto-exame e ao rastreio sobretudo das populações com maior risco). Em Portugal, houve mais de 30 serviços de dermatologia que se disponibilizaram a efetuar "rastreio" de populações de risco tendo sido submetidas a rastreio cerca de 1.500 pessoas. É pela adoção de medidas de bom convívio com o Sol e pelo diagnóstico precoce do melanoma que poderemos diminuir, respectivamente, o número de novos casos de melanoma e a mortalidade pelo mesmo, pela sua deteção numa fase precoce.

 

PUBLICIDADE

Por vezes mais é menos

Por vezes mais é menos

© 2020 Vital Health | Todos os direitos reservados | Designed by IPSPOT_ and Developed by Webview