FacebookTwitterYoutubeInstagramWhatsapp

Plataforma de Atualização Diária

Opinião
O que comer no envelhecer
segunda, 13 maio 2013 16:03
Por: Célia Lopes, dietista, regulatory Affairs Nutricia Advanced Medical Nutrition
O que comer no envelhecer

opiniao nutricia artigo 27272Quem acredita no mito de que após uma certa idade é normal comer menos, que só a sopa e o pão com queijo são suficientes para garantir os nutrientes diários, engana-se!

 


A alimentação no envelhecimento deve basear-se nos princípios da Roda dos Alimentos, da mesma forma que a alimentação de um adulto. Deve fornecer os nutrientes necessários para o dia-a-dia, tais como as proteínas, os hidratos de carbono e os lípidos, sem esquecer as vitaminas e minerais. Os hidratos de carbono são o combustível energético mais utilizado pelo nosso organismo, e obtemo-los pela ingestão de pão e cereais, massa, arroz e batata. As proteínas são utilizadas na reparação e construção dos tecidos, e provêm da carne e peixe, ovos, leite e derivados. As vitaminas e minerais não fornecem energia mas são essenciais em pequenas quantidades para a manutenção da saúde.

 


Refeições fáceis de preparar e de confeccionar, assim como o exercício físico, são factores que potenciam uma alimentação adequada no envelhecimento. Por outro lado, devemos garantir que os nutrientes que ingerem são eficazmente digeridos e absorvidos, e isso é possível através da mastigação. Mastigar devagar é a regra de ouro, e se ao envelhecer deixamos de ter a dentição completa, devemos garantir uma correcta mastigação pela adequação da consistência dos alimentos a cada indivíduo. Os idosos com falta de dentição e/ou placa dentária toleram melhor alimentos moles e fáceis de mastigar, mas isso não significa que apenas comam sopa e papa!


Nunca é demais lembrar que a perda de peso só é aceitável nas dietas de emagrecimento e não apenas porque envelhecemos! A perda de peso não intencional, associada à diminuição da ingestão alimentar, é um indicador de risco nutricional. A malnutrição no idoso tem como consequências a diminuição da força muscular, da mobilidade, da autonomia e capacidade de auto-cuidado e o aumento do risco de quedas o que leva à diminuição da qualidade de vida e ao aumento dos custos globais de saúde.


Os profissionais de saúde não devem, por isso, promover o aconselhamento de dietas restritivas que levam ao desenvolvimento de malnutrição no idoso e por consequência ao aumento das complicações associadas e da mortalidade. Para casos em que o idoso não consegue atingir as suas necessidades nutricionais diárias somente com a alimentação habitual, a evidência científica suporta os benefícios da utilização de suplementos nutricionais orais de baixo volume e alto teor energético e proteico.


Em resumo, envelhecer não significa deixar de ouvir as seguintes recomendações: "Não fique mais 3 horas sem comer e não salte refeições, tome sempre o pequeno-almoço, beba pelo menos 8 copos de água por dia mesmo que não sinta sede, coma pelo menos 3 peças de fruta por dia e inicie sempre as refeições principais com um prato de sopa. Diminua a ingestão de sal pela substituição por ervas aromáticas e alimentos com alto teor de gordura e açúcar só nos dias de festa".


Para quem tem mais de 65 anos e quer continuar a viver a 100% não pode, por tudo isto, descurar que a alimentação é um bem tão essencial à vida como o ar e a água.

 

Célia Lopes, dietista, regulatory affairs Nutricia Advanced Medical Nutrition

 

© 2019 Vital Health | Todos os direitos reservados | Designed by IPSPOT_ and Developed by Webview