FacebookTwitterYoutubeInstagramWhatsapp

Plataforma de Atualização Diária

Opinião
O cancro na atualidade
terça-feira, 04 fevereiro 2020 12:01
Por: Rui San-Bento de Sousa Almeida, assistente graduado sénior de Medicina Interna da Unidade de Oncologia Médica do Hospital do Divino Espírito Santo de Ponta Delgada EPER
O cancro na atualidade
As doenças oncológicas são um flagelo na atualidade, constituindo a principal causa de anos potenciais de vida perdidos e a segunda causa de mortalidade no nosso país.
 
Em diversos países, como Japão, Holanda e França, a mortalidade proporcional por doenças oncológicas já ultrapassou os 30%, ou seja, um em cada três óbitos deveu-se a uma doença oncológica. Em Portugal, na última década, a mortalidade proporcional tem-se situado à volta dos 25%: um em cada quatro portugueses morre em consequência de uma doença oncológica (mais de 27 500 óbitos por doenças oncológicas do total de pouco mais de 110 mil óbitos registados no País).
 
A maior capacidade de diagnóstico, em consequência da melhoria do conhecimento científico e dos desenvolvimentos tecnológicos, e, principalmente, a maior longevidade das populações dos países mais desenvolvidos têm contribuído para o aumento progressivo da incidência das doenças oncológicas.
 
Em Portugal, em especial desde 1985, a esperança de vida ao nascer tem vindo a aumentar a um ritmo quase constante de mais um ano em cada quinquénio, passando de 73,23 naquele ano para 80,78 anos em 2017, considerando ambos os sexos. Sendo as doenças oncológicas, no geral, com maior incidência nos grupos etários mais avan¬ça¬dos, o progressivo aumento da sobrevida tem causado maior número de cidadãos que atinge as idades de maior suscetibilidade ao aparecimento de doenças oncológicas.
 
Neste aspeto, é curioso o que se verifica em Portugal e nos Países de Expressão Portuguesa, quando se compara a esperança média de vida com a mortalidade proporcional por doenças oncológicas (dados adaptados da OMS, 2011-2012): Portugal (80,0 anos/26%); Brasil (76,2 anos/16%); Cabo Verde (74,5 anos/10%); Moçambique (52,5 anos/3%); Angola (52,0 anos/3%); Guiné (50,0 anos/3%).
 
Um outro aspeto curioso é o da comparação da mortalidade proporcional por doen¬ças de comunicação obrigatória (maioritariamente infeciosas), maternas e perinatais e mortalidade proporcional por doenças oncológicas (dados adaptados da OMS, 2011-2012): Portugal (9%/26%); Brasil (14%/16%); Moçambique (66%/3%). Nos países de elevadas taxas de mortalidade por causas que atingem grupos etários mais jovens, a mortalidade proporcional por cancro é muito baixa.
 
O panorama atual de Portugal não é significativamente diferente do dos países desenvolvidos. Os problemas individuais, familiares, sociais e económicos motivados pela “epidemia” de doenças oncológicas são um desafio constante à capacidade organizativa dos Serviços e das Instituições, com capacidades de resposta dependentes de decisões nem sempre as mais adequadas ou eficientes.
 
Algumas notas soltas, para reflexão:
1. Educação para a Saúde: o cancro do pulmão foi o que causou mais mortes em 2017 no nosso País: mais de quatro mil óbitos. A principal causa associada a este tipo de neoplasias é o consumo de tabaco; foram legisladas muitas medidas de combate ao tabagismo, mas a sua aplicação não tem sido transversal e a sua eficácia pouco visível: continuamos a verificar elevada taxa de consumo em idades jovens, inclusivamente em estabelecimentos de ensino.
 
2. Rastreios: o impacto dos rastreios na morbilidade e na mortalidade não é conhecido, salvo de leituras e comparações de dados soltos, de deficiente fiabilidade. Os Hospitais continuam a receber elevado número de doentes, pelas suas idades, rastreáveis, cujos diagnósticos são efetuados à margem dos rastreios.
 
3. Diagnóstico precoce: a inexistência de normas de referenciação e de atendimento pré-diagnóstico para os doentes com manifestações sugestivas de doença oncológica tem causado enormes atrasos na confirmação do diagnóstico e na aplicação dos meios complementares indicados e, em consequência, no início dos tratamentos e resultados.
 
4. Decisão terapêutica: a abordagem diagnóstica e terapêutica não se compadece, no estado atual do conhecimento e das técnicas diferenciadas, com decisões individuais de profissionais, sem serem equacionadas todas as possibilidades de atuação de todas as especialidades que, em cada caso, podem contribuir para o melhor resultado final. E não podem ser dispensados os contributos de especialidades, como a Anatomia Patológica, a Imagiologia, a Genética e Biologia Molecular, que possibilitam fundamentar condutas terapêuticas dirigidas a alvos celulares para os quais já existam fármacos específicos.
 
5. Inovação e a Ética: recorrentemente são divulgados casos particulares de doen¬tes a quem terão sido negados novos fármacos que, alegadamente, seriam a solução para as suas afeções. O elevado custo de alguns deles, com resultados nem sempre de significativa importância, levanta questões de ordem ética a merecerem atenta reflexão.
 
6. Cuidados Paliativos: ainda estão a dar os seus primeiros passos na generalidade das Instituições. A sua importância é indiscutível, assim como deve ser o empenhamento de todos para colmatar as lacunas ainda existentes.
 
7. Sobreviventes e a reintegração: cada vez maior número de doentes oncológicos atinge estados mais ou menos longos, mesmo “definitivos”, de doença oncológica não detetável ou estável, readquirindo capacidade de retomar a vida so¬cial e profissional. A marca da doença oncológica ainda dificulta, impede mesmo, a readmissão em pleno nas suas funções profissionais prévias, a conquista de um novo posto de trabalho, a progressão na carreira, o acesso a créditos bancários e a seguros, à compreensão por debilidades resultantes de sequelas dos tratamentos.
 
Não há soluções fáceis para nenhum dos pontos postos à reflexão. Permanentemente há que atender às necessidades e particularidades de cada um, proporcionando melhorias progressivas no panorama global.
 
Hoje estamos muito melhor do que nas décadas precedentes. Continuemos a preparar o futuro com a mesma consciência de C. de Bode (OMS): “o cancro afeta todos, novos e velhos, ricos e pobres, homens, mulheres e crianças, e tem impacto enorme nas famílias e nas sociedades… mais de 30% dos casos podem ser evitados pela adoção de hábitos de vida saudáveis e por imunização para infeções causadoras de doenças oncológicas. Outros podem ser detetados precocemente, tratados e curados. Mesmo nos estádios avançados da doença, o sofrimento pode ser aliviado com bons Cuidados Paliativos”.
 

PUBLICIDADE

© 2020 Vital Health | Todos os direitos reservados | Designed by IPSPOT_ and Developed by Webview