FacebookTwitterYoutubeInstagramWhatsapp

Plataforma de Atualização Diária

Imagem Desdobramento
Saúde
Apneia do sono: conheça o distúrbio que afeta 3% das crianças
segunda, 14 março 2016 10:36

Com a aproximação do Dia Mundial do Sono, que se assinala a 18 de março, a médica do Hospital Lusíadas Lisboa, Luísa Monteiro, alerta para o facto de cerca de 3% das crianças sofrer de apneia obstrutiva do sono. Saiba mais sobre este distúrbio e suas consequências.

 

Durante o sono podem ocorrer algumas alterações do ritmo respiratório que poderão ser inofensivas ou fisiológicas. No entanto, quando ocorre um período de ausência de inspiração de alguns segundos, ou quando “falha” mais que um ciclo respiratório de acordo com o ritmo que se estava a verificar, isto corresponde a uma apneia.

“A criança com apneia obstrutiva do sono tem geralmente um sono agitado, com microdespertares, procurando uma posição mais cómoda, baba a cama, tem aumento da transpiração e muito raramente pode voltar a “molhar” a cama. Durante os períodos de apneia, a concentração do oxigénio no sangue pode baixar significativamente e o valor de dióxido carbono retido pode aumentar”, explica Luísa Monteiro, coordenadora da Unidade de Otorrinolaringologia do Hospital Lusíadas Lisboa.

“A prevalência [da apneia obstrutiva do sono] poderá ser superior, uma vez que esta doença é frequentemente sub diagnosticada pelos especialistas médicos e os sintomas são desvalorizados pelos pais, o que conduz a um diagnóstico tardio“, alerta a médica.

E acrescenta: “Uma criança com apneia obstrutiva do sono apresenta-se, geralmente, magra porque gasta muitas calorias com o esforço respiratório, com olheiras, com adenoides e amígdalas aumentadas, muito irritada ou agitada, pouco concentrada na escola e com comportamentos antissociais na relação com os colegas e amigos. Quase sempre a apneia do sono é acompanhada de roncopatia. Há crianças que mesmo acordadas têm uma respiração muito ruidosa e difícil durante a inspiração”.

A remoção das amígdalas e dos adenoides tem uma taxa de cura desta doença, em média, entre os 75 e 100%.
© 2019 Vital Health | Todos os direitos reservados | Designed by IPSPOT_ and Developed by Webview