FacebookTwitterYoutubeInstagramWhatsapp

Plataforma de Atualização Diária

Imagem Desdobramento
Saúde
Doença coronária: um problema grave em Portugal
terça-feira, 17 janeiro 2017 11:59
Em Portugal, morrem anualmente mais de oito mil doentes por enfarte do miocárdio. Estima-se que em 2020 as doenças cardiovasculares sejam a principal causa de incapacidade e mortalidade no mundo.

 

A doença coronária é causada pelo acumular de colesterol e de outras substâncias nas paredes das artérias, criando uma placa. Esta é a causa principal para o entupimento das artérias, uma condição debilitante e que pode por em risco a vida.

À medida que a placa endurece nas paredes dos vasos sanguíneos, vai impedindo que o sangue flua corretamente pelo corpo, potenciando a formação de coágulos sanguíneos que bloqueiem totalmente pequenos vasos. Quanto mais vasos bloqueados existirem, maior dificuldade terá o coração em trabalhar, aumentando assim a pressão arterial e danificando órgãos vitais, como o coração, cérebro, rins e olhos. Como resultado, podem ocorrer ataques cardíacos, insuficiência cardíaca, acidente vascular cerebral, insuficiência renal e problemas de visão.

Tradicionalmente, o tratamento da doença coronária é feito através de um procedimento invasivo por cateterismo cardíaco com intervenção, designado por angioplastia coronária. Este procedimento, passa pela desobstrução da artéria com colocação de uma prótese metálica com fármaco, definitiva, e que vai restabelecer a passagem de sangue arterial para o músculo cardíaco que estava em isquémia, ou falência, impedindo o enfarte do miocárdio. Estas próteses são definitivas, e no caso de múltiplas lesões, são colocados múltiplos stents permanecendo a artéria enjaulada, sem os seus movimentos naturais e impossibilitando a cirurgia cardíaca a longo prazo.

Recentemente surgiu uma nova abordagem no tratamento da doença coronária, o Magmaris, desenvolvido pela Biotronik, que consiste num stent que, ao contrário das outras próteses que permanecem definitivamente dentro da artéria, tem a capacidade de se dissolver naturalmente no organismo deixando, ao fim de dois anos, a artéria nativa, como se não tivesse ocorrido nenhuma lesão anteriormente. Este novo dispositivo permite assim a recuperação dos movimentos naturais de dilatação e contração, possibilitando uma “regeneração” da artéria. 

A doença coronária é causada pelo acumular de colesterol e de outras substâncias nas paredes das artérias, criando uma placa. Esta é a causa principal para o entupimento das artérias, uma condição debilitante e que pode por em risco a vida. À medida que a placa endurece nas paredes dos vasos sanguíneos, vai impedindo que o sangue flua corretamente pelo corpo, potenciando a formação de coágulos sanguíneos que bloqueiem totalmente pequenos vasos. Quanto mais vasos bloqueados existirem, maior dificuldade terá o coração em trabalhar, aumentando assim a pressão arterial e danificando órgãos vitais, como o coração, cérebro, rins e olhos. Como resultado, podem ocorrer ataques cardíacos, insuficiência cardíaca, acidente vascular cerebral, insuficiência renal e problemas de visão.

 

Tradicionalmente, o tratamento da doença coronária é feito através de um procedimento invasivo por cateterismo cardíaco com intervenção, designado por angioplastia coronária. Este procedimento, passa pela desobstrução da artéria com colocação de uma prótese metálica com fármaco, definitiva, e que vai restabelecer a passagem de sangue arterial para o músculo cardíaco que estava em isquémia, ou falência, impedindo o enfarte do miocárdio. Estas próteses são definitivas, e no caso de múltiplas lesões, são colocados múltiplos stents permanecendo a artéria enjaulada, sem os seus movimentos naturais e impossibilitando a cirurgia cardíaca a longo prazo.

 

Recentemente surgiu uma nova abordagem no tratamento da doença coronária, o Magmaris, desenvolvido pela Biotronik, que consiste num stent que, ao contrário das outras próteses que permanecem definitivamente dentro da artéria, tem a capacidade de se dissolver naturalmente no organismo deixando, ao fim de dois anos, a artéria nativa, como se não tivesse ocorrido nenhuma lesão anteriormente. Este novo dispositivo permite assim a recuperação dos movimentos naturais de dilatação e contração, possibilitando uma “regeneração” da artéria.

PUBLICIDADE

© 2020 Vital Health | Todos os direitos reservados | Designed by IPSPOT_ and Developed by Webview