FacebookTwitterYoutubeInstagramWhatsapp

Plataforma de Atualização Diária

Imagem Desdobramento
Saúde
Portugal em 22.º lugar no desenvolvimento saudável das crianças. Obesidade infantil aumentou 11 vezes em quatro décadas
quarta-feira, 19 fevereiro 2020 11:11
Portugal encontra-se em 22.º lugar entre 180 países a nível mundial quanto ao desenvolvimento saudável das crianças e adolescentes. Os dados foram relevados por um relatório publicado hoje, dia 19 de fevereiro, elaborado em conjunto pela Organização das Nações Unidas (ONU), pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e pela revista The Lancet. De acordo com o documento, mais de 124 milhões de crianças e adolescentes em todo o mundo eram obesas em 2016, representando um aumento em 11 vezes, comparativamente com 1975.
 
A tabela, que tem como objetivo monitorizar o estado da saúde infantil e o bem-estar das crianças, coloca países como a Noruega, Coreia do Sul e os Países Baixos na liderança. Segue-se França, Irlanda, Dinamarca, Japão, Bélgica, Islândia, Reino Unido e Luxemburgo. Atrás de Portugal, situado em 22.º lugar, ficaram países como Itália, Israel, Polónia ou Nova Zelândia.
 
Portugal obteve uma pontuação de 0,90 no nível que conjuga possibilidade de sobrevivência e prosperidade, sendo a pontuação máxima 1. No entanto, o máximo atribuído foi 0,95, pontos conquistados por apenas cinco países.
 
“O objetivo final dos objetivos do desenvolvimento sustentável é garantir que todas as crianças são capazes de se desenvolver e levar vidas felizes e significativas, agora e no futuro”, revela o documento.
 
O estudo divulga ainda um índice da sustentabilidade dos vários países, que tem em conta critérios ambientais, como as emissões de dióxido de carbono, que contribuem para as alterações climáticas.
 
Nesta tabela, Portugal surge no 129.º lugar, a par de vários países europeus. No que toca as emissões poluentes, os países mais pobres são os que apresentam melhores indicadores, encontrando-se nos primeiros lugares o Burundi, Chade e Somália.
 
O relatório destaca ainda que nenhum dos 180 países analisados apresenta bom desempenho nos três indicadores, nomeadamente desenvolvimento saudável para as crianças, sustentabilidade e equidade.
 
Número de crianças obesas a nível mundial aumentou 11 vezes em quatro décadas
O número de crianças e adolescentes obesos a nível mundial aumentou de 11 em 1975, para 124 milhões em 2016. A explicação para este fenómeno pode estar pode detrás da exposição dos mais novo a anúncios e publicidade sobre comida pouco saudável e bebidas açucaradas, algo associado a escolhas alimentares inadequadas e ao excesso de peso ou obesidade. O relatório hoje publicado sugere que, em alguns países, as crianças veem cerca de 30 mil anúncios televisivos anualmente.
 
“A autorregulação da indústria falhou”, lamenta Anthony Costello, um dos autores do documento, elaborado pela ONU, pela UNICEF e pela revista científica The Lancet.
 
As “práticas exploradoras” do marketing são, para os autores do estudo, as culpadas pela epidemia, mediante a promoção de bebidas açúcaradas e fast food.
 
Outra das preocupações expressa no documento é a exposição dos menores a publicidade sobre o consumo de álcool e tabaco. No caso da Austrália, crianças e adolescentes são expostas a mais de 50 milhões de anúncios de bebidas alcoólicas por ano, principalmente no decorrer da transmissão televisiva de desportos como futebol, cricket ou rugby. Também nos Estados Unidos da América tem crescido a proliferação de anúncios sobre cigarros eletrónicos, verificando-se um aumento de 250% em dois do seu consumo, com a publicidade a alcançar mais de 24 milhões de menores.
 
Fonte: Lusa

PUBLICIDADE

© 2020 Vital Health | Todos os direitos reservados | Designed by IPSPOT_ and Developed by Webview