FacebookTwitterYoutubeInstagramWhatsapp

Plataforma de Atualização Diária

Imagem Desdobramento
Saúde
Portugal está em fase de mitigação. O que significa?
quinta-feira, 26 março 2020 12:24
Por determinação da Direção-Geral da Saúde (DGS), hoje, à meia-noite, a fase de mitigação em Portugal entrou em vigor. Esta nova etapa envolve todo o sistema de saúde, público e privado, prevendo-se “alguma turbulência” durante o período de alteração para o novo plano de abordagem ao covid-19.
 
“Temos transmissão comunitária. Não é exuberante nem descontrolada, mas existe. Vamos passar das medidas da fase de contenção para as medidas da fase de mitigação”, referiu Graça Freitas, diretora-geral da Saúde, em conferência de imprensa, na passada quarta-feira.
 
A responsável assegurou ainda que, apesar da “turbulência” esperada, “estamos cá para resolver os problemas que vão surgindo e contamos com a ajuda de todos. Vamos prestar assistência aos doentes de acordo com o grau de gravidade da doença”.
 
Até agora, Portugal estava em fase de mitigação por transmissão local. Neste momento, dá-se a transição para a fase de mitigação por transmissão comunitária, sendo esta a fase mais grave de contágio.
 
 
O que é a fase de mitigação?
 
De acordo com o Plano Nacional de Preparação e Resposta à Doença por novo coronavírus (covid-19), divulgado pela DGS, “foram desenhados níveis de alerta e reposta para Portugal, integrando evidência técnica e científica, nacional e internacional. As fases de respostas incluem três níveis e seis subníveis, de acordo com a avaliação de risco para covid-19 e o seu impacto para Portugal”.
 
 
rtghyg 708f2
 
 
O documento descreve a fase de mitigação como o momento no qual “as cadeias de transmissão do covid-19 já se encontram estabelecidas em Portugal, tratando-se de uma situação de epidemia/pandemia ativa”. Como as medidas de contenção da doença se mostram insuficientes, “a resposta é focada na mitigação dos efeitos do covid-19 e na diminuição da sua propagação, de forma minimizar a morbimortalidade e/ou até ao surgimento de uma vacina ou novo tratamento eficaz”, lê-se.
 
 
O que muda?
 
Portugal entra agora na fase 3.2., na qual todos os hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) são chamados a dar resposta, bem como os hospitais do sector privado. O isolamento de doentes deve ser feito no domicílio e o uso de máscara passa a ser recomendado para pessoas dentro dos grupos de risco, mesmo que sem sintomas, quando em grandes aglomerados ou nos serviços de saúde.
 
“Os doentes vão ser sobretudo seguidos em domicílio. Essa é a regra, 80-15-5. Cerca de 80% dos doentes vai ter sintomatologia ligeira e poderá ficar em casa”, disse a diretora-geral da Saúde.
 
Além dos doentes ligeiros, acompanhados em casa, os doentes moderados serão seguidos em centros de saúde com uma área dedicada ao covid-19 (ADC), ao passo que os graves serão encaminhados para uma urgência hospitalar pelo SNS24 e os críticos terão que ficar internados.
 
Segundo a DGS, os hospitais têm que estar aptos a rastrear doenças respiratórias aos doentes que dão entrada, bem como aos visitantes. Todas as equipas das unidades de saúde, do público e do privado, assim como das farmácias, devem saber como atuar perante um caso suspeito. Além disso, qualquer meio de transporte do INEM tem de estar preparado para transportar um doente com covid-19.
 
Ainda assim, o plano sublinha que as respostas serão ajustadas consoante a “evolução epidemiológica da infeção”, sendo “continuamente atualizadas à medida que surjam conhecimentos mais precisos sobre o comportamento do vírus nas comunidades humanas, dinâmica de transmissão e diversidade de respostas e consequências clínicas em função das características pessoais de cada pessoa infetada”.
 
Neste momento, Portugal regista 3544 casos de infeção e 60 mortes devido ao novo coronavírus, conforme as informações do último boletim epidemiológico da DGS. De notar que dos infetados, 43 pessoas já recuperaram.
 
O país está em estado de emergência desde as 00h00 do dia 19 de março, até às 23h59 do dia 2 de abril.
 
O novo coronavírus, responsável pela pandemia de covid-19, já infetou mais de 487 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram cerca de 22 mil. Dos infetados, cerca de 118 mil já recuperaram.
 
Fonte: DGS e Lusa

PUBLICIDADE

© 2020 Vital Health | Todos os direitos reservados | Designed by IPSPOT_ and Developed by Webview