FacebookTwitterYoutubeInstagramWhatsapp

Plataforma de Atualização Diária

Imagem Desdobramento
Saúde
Metade das crianças do mundo sofre violência sexual, física ou psicológica
sexta-feira, 19 junho 2020 10:21
Metade das crianças do mundo sofre todos os anos violência física, sexual ou psicológica, segundo um relatório conjunto de várias agências das Nações Unidas, culpando os países pela falta de proteção. O documento foi ontem, dia 18 de junho, divulgado em Genebra.
 
No relatório global sobre prevenção da violência contra crianças, analisaram-se dados de 155 países e conclui-se que embora 88% deles tenham leis para proteger as crianças, em mais de metade (53%) falta dinheiro ou estruturas para as fazer aplicar.
 
Nos números compilados, estima-se ainda que 40.150 crianças, entre os zero e os 17 anos, são assassinadas anualmente em todo mundo. A maioria são rapazes (28.160), com maior taxa de homicídios de crianças por 100 mil habitantes - 5,8 para ambos os sexos -, bem acima da média mundial, que é de 1,7 por 100 mil habitantes.
 
“Nunca há desculpa para exercer violência sobre crianças”, afirmou Tedros Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (ONU), apelando a todos os países para “protegerem a saúde e o bem-estar das crianças” na apresentação do relatório, feito em conjunto com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).
 
No documento, reconhece-se que o número de crianças sujeitas a violência no ano passado é incerto, mas “a melhor estimativa é mil milhões de crianças entre os dois e os 17 anos”, ou seja, metade das crianças do mundo.
 
Quase três quartos das crianças entre os dois e os quatro anos (300 milhões) são regularmente sujeitas a castigos físicos ou violência psicológica às mãos dos seus pais ou cuidadores, e um quarto das crianças com menos de cinco anos vive com uma mãe sujeita a violência doméstica.
 
No que toca à violência sexual, estima-se que em todo o mundo 120 milhões de meninas e raparigas com menos de 20 anos já sofreram um qualquer contacto sexual forçado.
 
Na escola, um terço dos alunos entre os 11 e os 15 anos afirma ter sofrido uma forma de ‘bullying’.
 
Quanto às consequências a longo prazo, as agências da ONU afirmam que os abusos sexuais, físicos ou psicológicos aumentam 30 vezes a probabilidade de se cometer suicídio em adulto e sete vezes a probabilidade de se estar numa relação íntima com violência, quer como vítima, quer como agressor.
 
Os abusos físicos ou sexuais sofridos na infância fazem aumentar em 14 vezes a probabilidade de os homens serem agressores sexuais e 16 vezes a probabilidade de as mulheres sofrerem esse tipo de abusos.
 
No relatório, estima-se ainda que as consequências para a vida da violência sofrida durante a infância tenham um custo económico anual de 228 mil milhões de dólares, só nos Estados Unidos.
 
As agências da ONU olharam para mais de 300 estudos publicados entre 2000 e 2017 e concluíram que os abusos sexuais têm uma prevalência média de 14% entre raparigas europeias e 20% entre raparigas norte-americanas.
 
Quanto aos rapazes, 6% dos europeus e 14% dos norte-americanos sofreram abusos sexuais.
 
A prevalência de violência física é maior no continente africano, afetando 60% dos rapazes e 51% das raparigas.
 
Já no que toca a violência psicológica, esta afeta 28% das meninas e 14% dos meninos no continente americano, ao passo que 13% das meninas e 6% dos meninos na Europa sofrem os mesmos abusos.
 
Embora 80% dos países analisados tenha planos e políticas nacionais para prevenir a violência sobre crianças, só um quinto tem financiamento para as aplicar ou metas tangíveis: “a falta de fundos e de capacidade profissional são provavelmente os fatores que contribuem para a aplicação lenta” desses programas, consideram as agências da ONU.
 
Entre 32 e 37% dos países concedem às crianças vítimas de violência acesso a serviços de apoio, e, embora haja dados sobre violência infantil, só em 21% é que estes dados estão na base de metas nacionais a atingir.
 
Na sua análise a Portugal, o relatório indica que há sete setores do governo com responsabilidade na questão da violência infantil.
 
As agências recomendam aos governos que exista “uma agência com recursos adequados e um mandato explícito para coordenar a ação multissetorial para acabar com a violência sobre crianças”.
 
Recomendam ainda que as crianças tenham “proteção legal universal” na legislação de cada país, notando que embora haja leis dirigidas a fatores de risco como o acesso a armas de fogo e abuso de álcool, costuma faltar-lhes “qualidade e aplicação adequada”.
 
“É necessária uma ação global para garantir que todos os países têm acesso ao apoio financeiro e técnico de que precisam. A monitorização e avaliação são cruciais para determinar até que ponto os esforços de prevenção chegam a quem deles precisa”, recomenda-se no documento.
 
Fonte: Lusa

PUBLICIDADE

© 2020 Vital Health | Todos os direitos reservados | Designed by IPSPOT_ and Developed by Webview