FacebookTwitterYoutubeInstagramWhatsapp

Plataforma de Atualização Diária

Imagem Desdobramento
Saúde
Mais mortes do que o esperado desde o desconfinamento, mas apenas 59% se devem à COVID-19
sexta-feira, 19 junho 2020 10:58
Nas primeiras seis semanas do desconfinamento morreram mais 807 pessoas do que seria esperado em Portugal, 41% das quais por outras causas naturais que não a COVID-19. Os dados foram revelados ontem, dia 18 de junho, num estudo da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) da Universidade NOVA de Lisboa.
 
Segundo o estudo “Mortalidade colateral durante o desconfinamento COVID-19”, do Barómetro Covid-19, entre 3 de maio e 13 de junho, morreram, em Portugal, 11.124 pessoas, mais 807 (+8%) do que os 10.317 óbitos que seriam de esperar nesse período, considerando a mortalidade nos últimos seis anos.
 
“Na última semana, os óbitos desceram para o valor que seria de esperar para esta época do ano”, refere a ENSP, que observou um pico de mortalidade entre os dias 24 e 31 de maio.
 
Para os investigadores, “a hipótese de que este aumento de mortalidade possa estar associado a casos de doença aguda grave que não procuraram os serviços de saúde atempadamente, ou que não foram adequadamente atendidos pelos mesmos, parece pouco provável”.
 
Isto porque, nessa altura, “os Serviços de Urgência, incluindo as Unidades de Cuidados Intensivos, estavam bem abaixo do nível de saturação e já se verificavam alguns sinais de retoma da atividade assistencial (consultas, exames, cirurgias)”.
 
Assim, os investigadores apontam que este aumento de mortalidade pode estar associado “a casos de doença crónica grave cujo diagnóstico e tratamento possam ter sido adiados devido à pandemia de COVID-19, porque os doentes evitaram procurar os serviços, ou porque as listas de espera adiaram os diagnósticos e tratamentos para além do prazo em que poderiam ter sido efetivos”.
 
Segundo o estudo, 195 (2%) dos 11.124 óbitos a mais são considerados excesso de mortalidade, porque ultrapassam o limite da média de óbitos nos últimos seis anos mais dois desvios padrão (DP).
 
Durante esse período, verificaram-se 474 mortes (4%) por infeção pelo novo coronavírus SARS-Cov-2, que provoca a COVID-19, e 10.650 (96%) por outras causas naturais.
 
“Se não tivesse havido as mortes por COVID-19, ter-se-iam verificado 333 (3%) óbitos acima do que seria de esperar, com base na média dos últimos seis anos”, sublinham.
 
No entanto, “este valor não pode ser considerado como excesso de mortalidade, porque não atinge o limite da média dos últimos seis anos mais dois desvios padrão, ou seja, está dentro dos limites da variabilidade anual dos óbitos em Portugal”.
 
O excesso de mortalidade só se verifica quando se contabilizam os 474 óbitos por COVID-19, explicam, afirmando, que gostariam “de saber mais sobre as causas desses óbitos, mas os dados disponibilizados pelo Ministério da Saúde não permitem fazer análises por grupos diagnósticos mais detalhados”.
 
“A hipótese de que um grande número destes óbitos possa ter sido causado pela COVID-19, mas não terem sido classificados como tal, é pouco provável”, afirmam os investigadores, justificando que durante este período vigorou, em Portugal, “uma política de testagem muito ampla, incluindo testes a pessoas que morreram em casa e a aceitação de um diagnóstico clínico de COVID-19 relativamente abrangente, mesmo sem confirmação laboratorial”.
 
Para os investigadores, “é difícil” explicar o pico de mortalidade que se registou na última semana de maio, com um regresso à normalidade na semana seguinte.
 
“Durante o mês de maio, os serviços de saúde foram regressando progressivamente à normalidade, com as sucessivas ondas de desconfinamento. É possível que, pelo fim de maio, já tivessem recuperado a sua capacidade de controlo da doença crónica de utentes mais frágeis, prevenindo eventuais descompensações das suas doenças de base”, sublinham.
 
A ENSP afirma que este aumento de mortalidade é confirmado por outros modelos de análise, nomeadamente o modelo ARIMA que analisa a mortalidade global, por causas naturais e não naturais.
 
Com este modelo estima-se que, entre 03 de maio e 13 junho, houve mais 518 (+4,3%) mortes do que aquelas previstas pelo modelo.
 
Portugal contabiliza pelo menos 1.524 mortos associados à COVID-19 em 38.089 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS). Destes, 24.010 já recuperaram.
 
Fonte: Lusa

PUBLICIDADE

© 2020 Vital Health | Todos os direitos reservados | Designed by IPSPOT_ and Developed by Webview