FacebookTwitterYoutubeInstagramWhatsapp

Plataforma de Atualização Diária

Imagem Desdobramento
Saúde
COVID-19: Pessoas confinadas em habitações com más condições sentem-se mais ansiosas
terça-feira, 14 julho 2020 11:44
As pessoas que estiveram confinadas em habitações com piores condições em Portugal sentiram-se mais ansiosas, mais enclausuradas e viram o sono piorar durante a pandemia, revelam os resultados preliminares de um inquérito da Universidade de Coimbra.
 
O grupo de investigação em Geografia da Saúde da Universidade de Coimbra realizou um inquérito entre 15 de abril e 15 de maio que concluiu que as pessoas que tiveram que passar o período de confinamento em alojamentos com más ou muito más condições de habitação sentiram-se mais ansiosas, deprimidas e com pior sono, afirmou a coordenadora do estudo, Paula Santana.
 
Até ao momento, participaram no inquérito 1.681 residentes em Portugal: 41% vivem numa cidade grande, 39% numa vila ou pequena cidade e 19% em zonas rurais.
 
A qualidade da habitação é boa ou muito boa apenas para 25% dos inquiridos.
 
"Os resultados sugerem que quem vive em habitações com maior isolamento acústico e térmico, com varandas ou espaço exterior (jardim ou quintal) ou tem na proximidade da residência oportunidade de utilizar um espaço público (verde ou azul - frente de rio ou mar), estava melhor preparada para os 'desafios' do confinamento, revelando valores percentuais mais baixos de ansiedade", salienta a professora catedrática da Universidade de Coimbra.
 
Nas cidades grandes, "menos de 20% das pessoas que têm acesso a uma área verde perto de casa sentiram-se muito enclausuradas, mas mais de 30% das que não têm acesso sentiram-se assim".
 
Este estudo revelou que 25% dos inquiridos cuja habitação apresenta más ou muito más condições sentiram-se "muito enclausurados", 35% apresentaram elevados níveis de ansiedade e 40% reportaram que dormiram pior, sendo estes valores inferiores para quem referia viver numa habitação com condições boas ou muito boas.
 
"Em relação à alimentação, cerca de 25% dos que vivem numa habitação com condições más ou muito más reportou ter uma alimentação pior, contra cerca de 16% dos que vivem numa habitação com condições boas ou muito boas", referiu a investigadora.
 
Dos inquiridos, cerca de um terço deixou de praticar atividade física, sendo que os que mais reduziram a atividade física "são os que têm piores condições de habitação", salientou.
 
Segundo Paula Santana, os resultados preliminares não revelam "grandes diferenças" entre o espaço rural e o meio urbano na forma como as pessoas estão a viver a pandemia, "quando se deixa de ter em conta a qualidade da habitação".
 
O estudo está a ser realizado no âmbito de um inquérito internacional, disponível em 13 línguas, sendo que o grupo de investigação aguarda agora resposta a uma candidatura a financiamento da Fundação para a Ciência e Tecnologia, para fazer um seguimento junto dos inquiridos nacionais.
 
Fonte: Agência Lusa

PUBLICIDADE

© 2020 Vital Health | Todos os direitos reservados | Designed by IPSPOT_ and Developed by Webview